A tecnologia é a resposta para reduzir a exclusão digital educacional

 A tecnologia é a resposta para reduzir a exclusão digital educacional

A educação pública gratuita é um direito garantido pela constituição dos Estados Unidos da América, mas a pandemia mostrou que, sem acesso equitativo à Internet , esse direito continua sendo um sonho para muitos estudantes. A Internet provou ser o equivalente atual dos livros didáticos, sem os quais o aprendizado é impossível.

Mesmo antes da pandemia, havia uma crescente ‘lacuna de lição de casa’ devido à tendência crescente de professores atribuir tarefas de casa que exigiam acesso à Internet. Em 2018, quase 17 milhões de crianças nos Estados Unidos não tinham acesso à Internet de alta velocidade e mais de 7 milhões não tinham computadores em casa, de acordo com uma análise de dados do censo. Durante a pandemia, quase um terço (16 milhões) dos 50 milhões de alunos de escolas públicas de ensino fundamental e médio não tinham acesso adequado à Internet e outros nove milhões não tinham dispositivos e Internet.

A questão da exclusão digital impacta uma porcentagem desproporcionalmente alta de estudantes negros, latinos e nativos americanos, agravando o ciclo vicioso de subprivilégios. Além disso, 400.000 professores de escolas públicas de ensino fundamental e médio (10%) também são vítimas da exclusão digital, que se traduz em todos os seus alunos – independentemente da origem étnica ou econômica – sendo impactados por

Limitações de aprendizagem: acesso à rede para alunos

Escolas e alunos tiveram que encontrar soluções temporárias por conta própria. Pontos de acesso WiFi em estacionamentos de escolas, bibliotecas públicas e restaurantes se transformaram em salas de aula virtuais. Algumas escolas chegaram a estacionar ônibus escolares equipados com pontos de acesso WiFi, em bairros carentes. Embora essas novas medidas possam ser vistas como uma resposta desesperada às circunstâncias atenuantes, elas não são de forma alguma soluções sustentáveis ​​ou aceitáveis ​​para superar a exclusão digital.

Os educadores devem se concentrar em soluções sustentáveis ​​de longo prazo para superar isso, investindo na tecnologia certa para conectividade de última milha, garantindo velocidades de download de 25 Mbps e upload de 3 Mbps recomendadas pela Comissão Federal de Comunicações para aprendizado digital. Existem vários caminhos disponíveis para fechar a última milha de conectividade com a Internet que existe. Como ponto de partida, os conselhos de educação podem procurar parceiros de tecnologia para projetar e construir soluções alternativas para fornecer conectividade à Internet economicamente viável, apoiada pelos mecanismos de financiamento existentes.

Para alunos sem acesso a serviços de banda larga com fio ou sem fio disponíveis comercialmente, tecnologias alternativas, como Rede Mesh habilitada para banda larga sem fio, podem ser um ponto de partida. Esses tipos de redes suportam conectividade sem fio fixa e pontos de acesso Wi-Fi ou uma rede LTE/5G privada para cobrir áreas geográficas específicas. Eles são projetados para atender a locais específicos, com a vantagem suplementar de que outros alunos nas áreas-alvo também podem assinar esses serviços. Onde a conectividade de banda larga comercial não for viável, outras opções de rede possíveis com base na disponibilidade de infraestrutura, além dos locais da escola, e disponibilidade de caminho de fibra próximo (crucial para a implantação de nós WFMN e LTE privado) devem ser consideradas.

Aproveitando o espectro e equipamentos não licenciados de 60 GHz usando o software Terragraph e nós de distribuição e clientes certificados, as redes mesh de “fibra sem fio” podem ser adaptadas para áreas específicas onde os alunos não têm serviço de banda larga com ou sem fio disponível comercialmente. Esse tipo de rede pode aproveitar a conectividade de fibra existente para servir como pontos de presença para conexão com a Internet, bem como minimizar muitos dos obstáculos de direito de passagem que os provedores encontrariam ao instalar fibra em uma área específica.

A implantação de redes LTE privadas para aprendizado virtual em conectividade de espectro compartilhado pode fornecer aos alunos e professores acesso a uma rede confiável em suas casas, criando uma experiência de aprendizado melhor e mais integrada. Essas soluções podem finalmente abordar a exclusão digital que atualmente custa aos Estados Unidos até US$ 33 bilhões por ano de todo o grupo de estudantes desconectados. Além disso, a economia de custos públicos adicionais devido a contribuições fiscais mais baixas e maior uso de assistência médica associada a rendas de coorte mais baixas não tem preço.

 

O conteúdo A tecnologia é a resposta para reduzir a exclusão digital educacional aparece primeiro em MegaTecnoBR – Tecnologia da atualidade.

helena

Post relacionados

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.