in

como utilizar o iniciador de pagamentos –

Open Banking com Pix: há pouco tempo, o BC aprovou uma nova resolução, onde as normas do Pix são atualizadas; incluindo o pagamento instantâneo nos iniciadores de pagamento. Veja as etapas:

Fonte: Google

Na última sexta-feira do mês de outubro, dia 29, se iniciou a terceira fase do Open Banking no país: o principal fator que mudará um pouco o dia a dia do consumidor é a integração com o meio de pagamento instantâneo, PIX. Esse sistema de pagamentos vem crescendo de maneira constante; por exemplo, desde que o recurso foi lançado, o número de usuários aumentou quase 200%. Sendo assim, é muito interessante discutirmos sobre a junção do Open Banking com PIX!

Ao contrário do processo de implementação e adoção do PIX, o Open Banking é um pouco mais lento: no dia 24 de outubro a integração inicial da segunda fase foi finalizada; na prática, possibilita a partilha de dados de cadastros e dados de operações de cartões e de empréstimo de somente 10% dos clientes da instituição originária das informações. Em outras palavras, ao utilizar o PIX no sistema de banco aberto, o que os clientes encontrarão acerca de telas e processos? Confira!

O que é o Open Banking?

Antes de mais nada, é preciso entender o que é o Open Banking. Então, vamos lá! Se trata de um modelo de negócios que tem como base a adoção de ferramentas padronizadas, amplas e, claro, mais tecnológicas. O papel do Sistema Financeiro Aberto, como é conhecido, é incentivar uma maior oferta de bons serviços e produtos financeiros ao público. Além de incentivar também a qualidade dos mesmos.

Um dos principais pontos dessa modalidade é o pertencimento de dados bancários aos consumidores. Sendo assim, quando – e caso – eles permitem seu compartilhamento, as informações passam a ser disponibilizados para terceiros. Dessa forma, um espaço se abre para a entrega de serviços exclusivos e personalizados. Posto isso, o Open Banking recomenda que aconteça a integração dos serviços oferecidos pelas financeiras. Assim, as soluções oferecidas irão se mostrar menos demoradas e burocráticas.

No entanto, isso não quer dizer que as informações serão divulgadas à vontade. Afinal, mesmo com a “abertura do sistema financeiro”, as instituições ainda têm a responsabilidade de zelar pela confidencialidade e sigilo dos dados dos usuários dos serviços. Para fazer isso, use API (interface de programação de aplicativo); onde se permite o desenvolvimento seguro de soluções técnicas para os consumidores. Portanto, permitem agilizar e simplificar as transações realizadas.

Open Banking com Pix; etapas de como usar

Considere que você realizará um pagamento. Se inicia com o originador do pagamento de sua escolha – por exemplo, pode ser um aplicativo de mensagens, agregador de contas e outros serviços. Ele solicita informações sobre a transação financeira e solicita que você autorize o acesso aos dados.

  • 2º passo: redirecionamento (primeira etapa)

O consumidor é redirecionado da instituição que iniciou o pagamento para a instituição transmissora onde mantém sua conta de movimentação, ou seja, a conta bancária onde estão os fundos. Essa conta pode ser: conta corrente, conta poupança ou conta de pagamentos.

  • 3º passo: autenticação

Depois de ser redirecionado para a instituição onde o usuário possui sua conta, ele deve acessá-la normalmente, da maneira que já é de costume – usando a mesma técnica de acesso e nível de segurança, como biometria – reconhecimento por digital, reconhecimento facial ou senhas padrão.

Outras etapas – open banking com Pix

PIX E OPEN BANKING INTEGRAÇÃO
Fonte: Google

A organização financeira onde o usuário mantém a conta bancária irá exibir as informações de pagamento. Sendo assim, o o cliente deve verificar os dados fornecidos e confirmar a transação. Caso os consumidores não concordem com as informações exibidas, eles podem recusar a transação. Simples!

  • 5º passo: redirecionamento (segunda etapa)

O consumidor é redirecionado da instituição financeira onde possui a conta bancária para a instituição financeira onde o pagamento é iniciado. Ou seja, o usuário será redirecionado para a instituição iniciadora de pagamentos em que o processo se iniciou.

Por fim, a instituição financeira iniciadora de pagamentos exibirá a confirmação do mesmo. Diante disso, chegamos a sexta e última etapa. Pronto!

O que mudará com essa junção?

A grande novidade que envolve o Open Banking com PIX é a possibilidade de o usuário, no momento de realizar algum pagamento através de uma loja online, não ter a obrigação e necessidade de copiar os dados de um QR Code, deixar a plataforma de compra e entrar no app do seu banco para realizar um PIX. Por exemplo, com essa mudança, o vendedor terá autorização para fazer uma intermediação direta entre a conta do estabelecimento e a do cliente.

O Iniciador de Transação de Pagamento – é que possibilitará isso. Afinal, os ITPs são apenas empresas, devidamente reguladas pelo Banco Central do Brasil, que conseguirão iniciar transferências e pagamentos para os consumidores, sem que seja preciso abrir e acessar o app do banco para realizar um PIX. A iniciação de pagamentos está no Brasil desde outubro de 2020. Por exemplo, o WhatsApp, recentemente, passou a integrar a lista dos iniciadores de pagamentos.

É tudo muito mais simples do que parece! A única diferença é que a partir de agora esse iniciador de pagamentos pode realizar transações financeiras oferecendo o PIX como uma alternativa. Esse sistema de pagamentos que conquistou o Brasil, como é hoje, não deixará de existir. A experiência utilizando o Open Banking com PIX é totalmente opcional; o usuário não tem a obrigação de aderir o serviço. Ou seja, ele mesmo define o meio que irá movimentar o seu dinheiro.

Vantagem de ter um Sistema Financeiro Aberto

Então, um exemplo super simples que podemos utilizar é a facilidade na concessão de crédito, determinando taxas mais claras e justas ao perfil de risco daquele que solicita o empréstimo. Além disso, o sistema também servirá para comparar os serviços financeiros oferecidos entre as instituições.

Por exemplo, o custo de seguros, lucrabilidade de investimentos e outros produtos bancários. Na verdade, o objetivo é criar serviços e produtos exclusivos e com preços mais atraentes para cada necessidade de cada cliente, baseando nos dados, renda mensal e transações financeiras.

Gostou do nosso artigo? Aproveita e compartilha o artigo em suas redes sociais, com os seus amigos e ainda com todos os seus familiares.

Mas não esqueça de retornar ao blog e aproveitar outros conteúdos. Nosso Blog existe para te informar e ajudar você a mudar sua vida financeira.

Written by Carlino Souza

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Liderança no trabalho híbrido, qual o novo papel do líder? –

o 1º browser de Cashback do mundo –