Lucro do Bradesco tem alta de 4,7% e chega a R$ 6,8 bilhões no 1° trimestre

 Lucro do Bradesco tem alta de 4,7% e chega a R$ 6,8 bilhões no 1° trimestre

O Bradesco divulgou no dia 5 de maio os seus resultados no 1º trimestre de 2022 e a apuração foi positiva. O banco teve lucro líquido recorrente de R$ 6,8 bilhões nos primeiros 3 meses do ano. O valor representa alta de 4,7% se comparado ao mesmo período de 2021.

De acordo com o banco, o crescimento do lucro refletiu os aumentos das receitas com prestação de serviços e de concessão de crédito, que chegou a R$ 834,5 bilhões em março. O resultado também equivale a um crescimento de 18,3% em bases anuais.

É provável que você também goste:

3,4 milhões de pessoas podem renegociar dívidas com Bradesco e BB com ajuda da Serasa

Bradesco elenca as principais razões para ter um cartão de crédito empresarial

Confira a estratégia do Bradesco Seguros para 2022

Bradesco cresce no 1º trimestre do ano

Em relatório, o Bradesco declarou que o crescimento está relacionado à melhora dos spreads (diferença entre o preço de compra e venda de uma ação, título ou transação monetária). Isso resultou em crescimento de 0,6 pontos percentuais na taxa média da carteira.

“O crescimento dos ativos continua contribuindo com a evolução da margem, com destaque para financiamento de veículos, cartão de crédito, crédito pessoal, conta garantida e capital de giro, além da alteração do mix de produtos”, destacou o banco.

O crescimento dos canais digitais do banco também impactaram nos resultados. De acordo com o Bradesco, 98% das transações totais são realizadas nos meios online. O reflexo disso está no crescimento no número de contas abertas pelo aplicativo, que são cinco vezes maior em comparação com o mesmo período de 2020.

“Para atender esse novo perfil e acompanhar a curva de crescimento de uso em transações e abertura de contas, por exemplo, estamos ampliando ainda mais nossa atuação em soluções e atendimento digital”, disse o banco em seu informe.

Em contrapartida, os atendimentos por meio dos caixas nas agências caíram 28% de 2021 para 2022. Comparado com o mesmo período de 2020, a queda é de 83%. Porém, esse resultado já era esperado como efeito da digitalização dos serviços, não tendo impacto na receita do banco.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o Facebook, Twitter, Instagram e Twitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

imagem: rafastockbr / Shutterstock.com

Carlino Souza

Post relacionados

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.