Março de 2022 tem recorde de pedidos de demissão

 Março de 2022 tem recorde de pedidos de demissão

Em março deste ano, o mercado de trabalho registrou um movimento atípico, com o recorde de pedidos de demissão de trabalhadores brasileiros. Saiba mais a seguir.

É provável que você também goste:

Seguro-desemprego: em quais situações o seguro pode ser cancelado?

Melhores sites de vagas de emprego para enviar o seu currículo grátis

Itaú tem várias vagas de emprego abertas; veja como se candidatar pela internet

Desligamentos voluntários

De acordo com o levantamento da LCA Consultores, que considerou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram pelo menos 603 mil desligamentos voluntários durante o mês de março.

O que mostra que, embora o mercado de trabalho esteja com um baixo desempenho e 12 milhões de brasileiros estejam desempregados, ainda sim, um grande número de trabalhadores está deixando o emprego de maneira voluntária.

De volta para sua área

Nos dois primeiros anos da pandemia da Covid-19, 2020 e 2021, muitas pessoas perderam seus empregos e acabaram aceitando trabalhos fora de suas áreas.

Dessa forma, segundo especialistas, agora que o mercado está um pouco mais aquecido, esses trabalhadores que aceitaram os empregos fora de suas áreas somente para não ficar sem uma colocação profissional voltaram a procurar empregos que sejam de acordo com suas especialidades.

Níveis de ocupação pré-pandemia

Embora março tenha batido o recorde de pedidos de demissão, também foi o primeiro mês a superar os níveis de ocupação pré-pandemia, de acordo com um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão do Ministério da Economia, a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

Houve um aumento na proporção de ocupados em relação à população brasileira total em idade ativa, chegando a 55,9%, o que representa um avanço de 5,3 pontos percentuais em relação a março de 2021, excluindo os fatores sazonais, para que sejam niveladas as bases de comparação.

Contudo, por mais que houve aumento da ocupação, o cenário mostra queda de 10,6% nos rendimentos médios regulares, de R$ 2.532,00.

Isso ocorre devido à alta da inflação, juntamente com o encolhimento de 0,5% dos rendimentos nominais.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o  Facebook, Twitter, InstagramTwitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: BAZA Production / Shutterstock.com

Carlino Souza

Post relacionados

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.